terça-feira, 12 de abril de 2016

Cosmam discute assistência farmacêutica na atenção primária em saúde

Foto: Tonico Alvares/CMPA
A Comissão de Saúde e Meio Ambiente (Cosmam) da Câmara Municipal de Porto Alegre debateu, nesta terça-feira (12), a entrega de medicamentos aos usuários da rede pública de saúde da Capital por profissionais de enfermagem, que estariam desempenhando esta função.

O presidente do Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul, Daniel Souza, afirmou que essa tarefa não é uma atribuição dos profissionais de enfermagem. Explicou que o serviço de entrega afasta estes profissionais do atendimento de qualidade que deveriam prestar no SUS, como vacinação, colocação de curativos e visitas domiciliares. O assessor de Relações Institucionais do Conselho Regional de Farmácia, Everton Borges, salientou que a entrega do medicamento por profissionais não capacitados acaba por comprometer o atendimento. Esclareceu que há profissionais ocupando o espaço do farmacêutico no município, gerando pouca eficiência no controle dos medicamentos.

Porém, o titular da Secretaria Municipal da Saúde, Fernando Ritter, informou que não há recursos disponíveis para a contratação de novos servidores e que ainda é necessário cortar gastos. Ritter lembrou que, no ano passado, foram criados novos cargos de farmacêuticos no município, embora tenha reconhecido que há falta de profissionais. Como não houve um maior financiamento para a atenção básica em saúde e as demandas aumentaram, o secretário sugeriu a todos que trabalhem de forma interdisciplinar. 

Nos encaminhamentos finais, a presidente da Cosmam, Lourdes Sprenger (PMDB), destacou que os debates sobre o assunto devem continuar, para buscar o aperfeiçoamento do atendimento e abrir novas vagas de trabalho. Disse também que a Comissão deve sugerir uma visita às cidades de Santa Maria e Passo Fundo, para conhecer os modelos de assistência farmacêutica daqueles municípios, elogiados pela vice-presidente do Sindicato dos Farmacêuticos do Rio Grande do Sul, Débora Melecchi. Foi encaminhada ainda solicitação para que o Executivo faça um decreto criando um grupo de trabalho formal para tratar do tema.

*Com informações da imprensa da Câmara de Vereadores de Porto Alegre